fbpx
Tag

doenças

Benefícios da Reflexologia, dos pés à cabeça

A Reflexologia é uma prática que tem origem milenar e suas primeiras aplicações conhecidas foram feitas em 2350 a.C., e consiste em aplicar técnicas de pressão nos pés (podendo ser também nas mãos e na cabeça, em algumas práticas). A técnica é bem popular tradicional medicina chinesa e pode ser feita em pontos específicos, mas com benefícios que se estendem a todo corpo.

Nesta massagem, os pontos reflexos do organismo são estimulados, beneficiando a saúde em todos os seus aspectos, promovendo relaxamento e bem-estar. O objetivo é estimular pontos com intuito de restabelecer a energia de regiões desequilibradas. Além de abordar as preocupações com a saúde, a reflexologia pode libertar seu corpo do estresse que sofre ao longo do dia e fazer com que seus pés se sintam bem.

BENEFÍCIOS E APLICAÇÕES DA REFLEXOLOGIA PODAL

  • combater o estresse e a síndrome de burnout;
  • evitar/curar dores de cabeça, insônia e ansiedade;
  • ajudar a eliminar as toxinas;
  • colocar determinados órgãos para funcionar corretamente;
  • recuperação pós-cirúrgica;
  • prevenir doenças;
  • aliviar dores;
  • diminuir ansiedade e depressão.

CURSO DE REFLEXOLOGIA PODAL (sem pré-requisitos)

Ministrante: Washington Passos
Dias: 14, 16, 21, 23 e 24 de janeiro de 2020
Horário: das 19h às 22h
Investimento: R$ 480 à vista ou parcelado: 2 x 250 | 3 x 176 (cheque/cartão). Temos ainda a opção de pagamento em até 18x no PagSeguro.
Carga horária: 14h/aula
Local: SBN, Quadra 02, Bloco F, Lote 12, Edifício Via Capital, sala 1004 

Confira o CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AQUI

FIQUE ATENTO À PROMOÇÃO CURSOS DE VERÃO – JANEIRO/2020

  • Matrículas em 2 cursos: 10% de desconto;
  • Matrículas em 3 cursos: 10% de desconto + Brinde (1 óleo essencial Terraflor Aromaterapia)

BÔNUS: um número da sorte para participar do sorteio inédito de prêmios (previsão: 03 de fevereiro). 

CONCORRA A UM DOS PRÊMIOS:
1 Massagem Aromaterapêutica (Beth)
1 Reflexologia (Washington Passos)
1 Massagem (Marcus Evandro)
1 Kit Cristais Chakras (Margot)
1 Massagem Relaxante (Natasha)
1 Sessão de Cone Hindu (Evelise)

Sobre o Instituto Atmo Danai 

É uma organização voltada ao atendimento e formação profissional na área terapêutica, meditação e autoconhecimento. Foi criado em 2010, para proporcionar bem-estar, saúde e desenvolvimento integrativo através da criação e promoção de vivências, retiros e cursos. Possui duas unidades, o espaço sede no Setor Bancário Norte (Ed. Via Capital, Sala 1004) onde são realizados atendimentos de Spa, Cursos, Palestras, Vivências, Atendimentos, e onde fica a administração (equipe) e a outra unidade é o Sítio Vale das Flores, no Altiplano Leste, um local silencioso no coração de Brasília, rodeado pela natureza do Cerrado e especialmente planejado para receber grupos, vivências, retiros, eventos.


Corpo e espiritualidade

Conhecer o próprio corpo é um passo muito importante para conhecer a si mesmo. Reconhecer como o corpo se sustenta, como se apoia, seus encaixes e marcas é fundamental para assumirmos a responsabilidade pela vida que vivemos. Todas as experiências que vivemos, as agradáveis e desagradáveis, ficam registradas em nossos tecidos e quando nos movemos na vida, essas memórias nos ajudam a criar coerência no nosso existir.

Segundo a ótica da anatomia metafísica, todo organismo é regulado por aquilo que sente. As condições internas se resumem, praticamente, às nossas emoções, que são determinantes na coordenação das funções corporais. As emoções são muito abrangentes e praticamente definem nossa manifestação na vida. Existem emoções agradáveis, como as causadas pela simpatia, afetividade, ternura, etc., e as desagradáveis, como a raiva, tristeza, medo e etc. As emoções são responsáveis pelos processos somáticos. Ou seja, elas transmitem para o corpo os nossos sentimentos. Por isso, sentir-se bem fará com que o corpo permaneça saudável.

Ao longo dos séculos, o homem acreditou entender mais sobre o corpo do que realmente entende. Apesar do grande acúmulo de conhecimento sobre os processos anatômicos e fisiológicos do corpo, nós temos a tendência de superestimar nossas habilidades. Todos os dias surgem mais evidências da complexidade do corpo-mente. O imenso número de inter-relações entre os componentes do corpo físico, as relações dentro dos sistemas energéticos, os fatores ambientais e componentes mentais e emocionais criam uma sinfonia complexa de relações que estamos apenas começando a vislumbrar.

O verdadeiro problema que o corpo enfrenta está na maneira em que nosso estilo de vida, cultura e tecnologia interfere nos seus processos naturais, comprometendo as redes de comunicação que lhe permite coordenar bilhões de atividades sincronizadas por segundo, necessárias pra manter o estado saudável.

Nosso estilo de vida excessivo e veloz nos rouba consciência corporal e nos lança numa espiral de demandas e obrigações.

No meio disso tudo o corpo é apenas aquele que nos leva pra cumprir tais papéis. Com pouca consciência nos abandonamos em posturas, gestos e comportamentos disfuncionais. Alteramos os fluxos de energia do corpo e a circulação de nossas águas através de hábitos que reduzem a longevidade e qualidade de vida.

A presença constante de pensamentos é a evidencia mais óbvia da consciência – de que estamos cientes de nós mesmos, de nossos pensamentos e nosso mundo. Porém esse fenômeno não é exclusividade da nossa espécie. A física quântica propõe hoje uma nova visão de mundo que considera não a matéria como base da nossa experiência, mas sim a consciência. Tudo é consciência!

Dessa forma, nosso corpo é consciência manifestada na matéria. Tanto faz sentido que quando nos cortamos, sem nenhuma necessidade de controle racional, nosso corpo inicia um processo de reparo sobre o comando de uma inteligência muito a frente de qualquer computador.

Tal engenharia e arquitetura do corpo humano nos revela a magnitude dessa fonte criadora de tudo que há. Somos consciência corporificada, somos uma gota d’agua no oceano existencial. Ao longo da historia os religiosos chamaram essa consciência de Deus, aquele que tudo vê, tudo sabe e tudo controla. Os cientistas mais sensibilizados a chamam de natureza. Hoje em dia é comum ouvir termos como: destino, designer inteligente, criador, entre outros…. não importa qual palavra você use pra nomear o inominável, o importante é experimentar a essência contida nessas ideias.

Até há pouco tempo acreditava-se que o comando absoluto sobre os órgãos do corpo era exercido pelo cérebro, que desde o alto dirigia, por exemplo, a atividade intestinal. Contudo, hoje se sabe que o intestino tem o mesmo grau de importância que o cérebro cranial. Isso é assim, a ponto de que se fala de um segundo cérebro (e não é metafórico. O intestino é, literalmente, nosso segundo cérebro).

O que estou querendo dizer com tudo isso? O corpo humano possui em sua dinâmica de funcionamento as respostas que nosso pensamento anseia. O dinamismo sistêmico que constitui nosso corpo nos ensina constantemente sobre os desafios que vivenciamos fora de nós. Todos os nossos órgãos, endócrinas, músculos e ossos coexistem em uma sinfonia de cooperação entre eles. Não há essa lógica competitiva que escolhemos pra entender a nós mesmos e o mundo aqui fora.

Nosso corpo revela que todas as partes são importantes pra manutenção da saúde do ser, e cada parte tem seu valor e lugar de existência.

Todo o trabalho da religião passa pela tentativa de conscientizar os filhos de seus respectivos Deuses, do seu valor e lugar no universo, paraíso, lar, como preferir. Uma consciência que nossas partes do corpo já manifestam. Há ainda muito pra descobrir nos becos de nossas entranhas sobre nós mesmos e sobre a vida. E pra isso é necessário devolver ao corpo seu papel de protagonista da experiência e educar a mente pra servir e não controlar.

Nosso corpo é um sofisticado sistema de captação e produção de energias vivificadoras, e o papel da mente é canalizar e direcionar essas energias vitais que criam uma atmosfera energética que influenciam a realidade, que por sua vez se moldará de acordo com as nossa crenças. E as crenças que estabelecemos ao longa da nossa existência determinará a maneira como vamos encarar os fatos da vida e servirão de base para a escolha de como reagir e se comportar.

Quando adoecidos, podemos entender que a cura é do ente, pertence à pessoa. Vamos fazer um acordo, de sair da perspectiva vitimada, tudo bem?! Sabemos que as doenças não são ao acaso e que se entrelaçam ao nosso estilo de vida, sistemas de crenças e valores. Se considerarmos os sintomas e doenças como uma linguagem do corpo, quanto auto-conhecimento nossos desequilíbrios nos proporcionaria? E se tão rapidamente assumíssemos a responsabilidade, quantos milagres seriam possíveis? É nessa sabedoria inata que reside todo o potencial de transformação.

Partindo dessa perspectiva apresentada, te questiono, leitor, como chegar a alma sem antes existir num corpo?

O corpo, essa fonte de experiência por tantas vezes negligenciado ou renegado ao simples exercício de poder, busca hoje, em meio a tantos novos conceitos, o seu lugar enquanto ponte entre o céu e a terra!

É comum em situações desafiadores e dolorosas, as pessoas reagirem com comodismo ou revolta. Quando não compreendem a causa de certos acontecimentos justificam seu comodismo com crenças como: “Deus ou o destino quis assim”; “Não aconteceu porque não era pra ser”. Ideias como essas alimentam a vítima que vive em nós, que gostaria de responsabilizar o mundo menos a si mesmo. O “vitimismo” é, sem dúvida, o maior empecilho ao progresso da humanidade, é uma forma infantil de lidar com os fatos.

De que forma podemos compreender os acidentes, as situações problemáticas ou maravilhosas, se não cremos mais no acaso, se não responsabilizamos os outros e tampouco atribuímos à vontade divina ou aos imperativos da vida?

Qual a explicação para o que acontece nas nossas vidas?

A resposta é: VOCÊ É A CAUSA DE TUDO. Você é o centro da sua existência e senhor(a) de seu próprio destino.

Se abandonamos o pretexto de atribuir ao externo nossas frustrações internas, passamos a reconhecer em nós o referencial manifestador que cria a realidade, atraindo pra si tudo de bom ou ruim que acontece em nossas vidas.

Fora do corpo não há salvação!!!

Por Amanda Pinhopsicóloga, terapeuta corporal, facilitadora do curso de Anatomia Metafísica e corpo docente da Formação Massoterapia Integrativa.

CURSO DE ANATOMIA METAFÍSICA COM AMANDA PINHO

Quem já fez:

“Estou amando o curso de Anatomia Metafísica. A apostila ficou sensacional e a Amanda Pinho…uau! Estou super feliz mesmo, superou qualquer expectativa” (Viviane)

Dias: 03, 05, 10/09 – matutino

⏰Horário: das 9h às 12h

Local: Instituto Atmo Danai, Ed. Brasil 21, SHS Qd. 6, Bl. C, Sl. 903

CONTEÚDO:
– Do que é formado o corpo?
• Anatomia celular e tecidos do corpo
• Consciência e os 5 sentidos
– As estruturas e o movimento : ação x reação
• Sistema ósseo
• Sistema muscular
– A relação com o ambiente : Eu x os Outros
• Sistema Respiratório
• Sistema Circulatório
• Sistema Digestivo
• Sistema excretor
– Linguagem e comunicação : Razão x Emoção
• Sistema Nervoso
• Sistema Endócrino
• Sistema Reprodutor
• Sistema Energético

INVESTIMENTO: R$ 310 à vista / 2 x R$ 160 (aceitamos cheque, cartão, depósito).

FAZER INSCRIÇÃO

Trigunas (sattva, rajas, tamas) e os efeitos sutis dos alimentos

“Dieta é tudo o que é ingerido por qualquer campo e através de qualquer sentido de percepção, sob qualquer forma da mente e qualquer forma de intelecto.” (Charak Samhita)

Este conceito deixa bem claro que o importante não é somente o alimento que comemos, mas também tudo que podemos perceber e assimilar por meio dos sentidos.

Podemos notar a manifestação de estados emocionais e suas influências em nossa alimentação em diversos momentos. Por exemplo: se você está com muita fome e sente o cheiro da sua comida favorita sendo preparada, os sentidos gustativos são estimulados e logo começará a salivar. Quando começa a andar em direção a ela, seu telefone toca, e, ao atender, recebe a notícia da morte de um parente. No mesmo instante, acaba a sua fome e toda aquela preparação do seu corpo, sistema digestivo e sensação de fome deixa de existir rapidamente.

Isso indica que tudo ao nosso redor, e não só a comida, influencia a nossa nutrição. Portanto, devemos fazer as escolhas que sejam mais adequadas se quisermos ter uma boa saúde.

A IMPORTÂNCIA DOS ALIMENTOS, A INFLUÊNCIA DO INDIVÍDUO NA DIETA E OS FATORES RELACIONADOS COM A DIETA

“Os alimentos sustentam a vida dos seres humanos. Todas as criaturas no universo necessitam deles. Compleição, clareza, boa voz, longevidade, felicidade, alegria, nutrição, força e intelecto, todos dependem da alimentação. As ações para a realização do mundo, na vida divina e na iluminação, todas dependem da alimentação.” (Charak Samhita, Sutrasthan 27.349-350)

O Ayurveda considera vários fatores como fundamentais na escolha de uma dieta. Essa escolha deve ser coerente com o estágio de vida em que se encontra o indivíduo, e também com a sua ocupação, que pode ser sedentária, atlética ou monástica. A manifestação do fogo digestivo, chamado de agni, pode ser alta, irregular ou baixa, sendo um importante fator avaliado pelo Ayurveda frente à seleção dos alimentos em uma dieta. A prakriti (constituição individual) e o vrikriti (o que está em desequilíbrio) são determinantes na escolha dos alimentos para compor uma dieta.

A quantidade e a qualidade do alimento, por exemplo, são aspectos associados ao tipo de agni manifestado no indivíduo. O modo de preparo influenciará no tipo do efeito sutil (TRIGUNAS, o que veremos adiante) que o alimento vai exercer sobre o indivíduo. Veremos nessa mesma vertente a influência das horas do dia sobre o agni, bem como a relação entre as estações climáticas e os ciclos dos doshas.

O Ayurveda aponta combinações incompatíveis em uma dieta e também alimentos (ou condimentos) antídotos para amenizar possíveis efeitos agravadores dos atributos de outros alimentos. Quantidade, temperatura e períodos de ingestão de líquidos no agni do indivíduo são importantes fatores avaliados pelo Ayurveda, pois a ingestão excessiva de líquidos pode diminuir o agni. O local da alimentação, por sua vez, pode provocar efeitos sutis positivos e negativos nos pratos, efeitos que acabam repercutindo no corpo e no processo de digestão.

Uma dieta e digestão equilibradas dependem da alimentação e nutrição adequadas e da relação entre digestão e metabolismo. Desse modo, o Ayurveda recomenda o alimento mais fresco, da estação, sem agrotóxicos, cheio de vida e preparado na hora da refeição. A nutrição adequada é o resultado do alimento que o indivíduo come, somado a sua capacidade de digestão. Metabolismo equilibrado é a habilidade do corpo de processar todas as substâncias do alimento sem desgaste ou esforço.

Para compor uma dieta, o Ayurveda enfatiza a seleção e preparo dos alimentos, a natureza e necessidades do indivíduo e a composição, pureza, quantidade e qualidade dos alimentos.

Antes de estudarmos esses aspectos, vamos conhecer definições importantes sobre as qualidades sutis da matéria para compreendermos como as características dos alimentos influenciam o corpo.

OS TRIGUNAS (OS 3 ATRIBUTOS DA MATÉRIA)

DEFINIÇÃO DE SATTVA, RAJAS E TAMAS

As qualidades sutis da matéria abrangem sattva, que se refere à inteligência pura e promove o equilíbrio; rajas, que constitui a energia e provoca o desequilíbrio; e tamas, a substância que, por sua vez, produz a inércia. Analisaremos agora o conceito dos gunas segundo os Vedas:

“Pureza, paixão e inércia, essas qualidades, ó Arjuna, nascem da natureza e limitam aquele que habita o corpo, ó indestrutível.

Sattva, por ser desprendida de impurezas, caracteriza-se por iluminar e ser livre de doenças e por aprisionar pelo apego à felicidade e ao conhecimento, ó impecável.

Saiba que rajas tem a natureza das paixões, sendo a origem da sede (de prazeres sensuais) e do apego. Ela aprisiona rápido o encarnado, ó Arjuna, pelo apego à ação.

Porém, saiba que tamas nasce da ignorância. Ilude a todos que habitam o corpo, aprisiona com rapidez, ó Ajurna, através da indiferença, preguiça, indolência e sonolência.

Sattva vincula-se à felicidade, rajas à ação, ó Arjuna, ao passo que tamas, encobrindo o conhecimento, vincula-se à indiferença.” (Bhagavad gita, XIV).

Segundo Maharishi Mahesh Yogi, em seu comentário sobre o Bhagavad-gita, toda a criação consiste na interação dos três gunas (sattva, rajas e tamas), nascidos de prakriti (ou natureza). O processo da evolução é conduzido por esses três gunas.

Evolução significa criação, e, em seu desenvolvimento progressivo e em sua base, está a atividade. Esta necessita de rajo-guna para criar impulso, e de sattva-guna e tamo-guna para manter a direção do movimento.

A natureza de tamo-guna é frear ou retardar, mas não se deve pensar que, quando o movimento é para cima, tamo-guna está ausente. Para continuar qualquer processo, deve haver etapas, e em cada uma delas, por menor que seja em espaço e tempo, é preciso haver uma força para mantê-la e outra para fazê-la evoluir a uma nova fase. A força que a faz evoluir é sattva-guna, enquanto que tamo-guna é a que a freia ou retarda para manter o estado já produzido, para que este funciona como a base do próximo nível.

Toda a vida no campo relativo está sob a influência dos gunas. O perecível é a existência relativa e o imperecível, o Ser absoluto. Portanto, para dar-lhe a experiência direta do estado absoluto da vida, Ele pede que Arjuna “esteja livre dos três gunas”.

Independentemente do campo dos 3 gunas em que você se encontre, daí deve começar a mover-se em direção a planos mais sutis dos gunas. E, quando chegar ao plano mais sutil, saia dele, transcenda-o, esteja consigo mesmo, “possuído pelo Ser” – “livre da dualidade”, “sempre firme na pureza”, “independente de posses”.

Esta é a técnica de realização instantânea. O Senhor mostra para Arjuna um meio prático de convergir a mente ramificada para o foco do intelecto resoluto. Aí está uma técnica eficaz para levar a mente a uma condição em que todas as diferenças se dissolvem, o que leva o indivíduo ao estado de realização.

OS EFEITOS SUTIS DOS ALIMENTOS

Os alimentos podem ser classificados como sáttvicos, rajásicos e tamásicos, conforme os efeitos sutis que provocam no corpo.

ALIMENTOS SÁTTVICOS

Os alimentos sáttvicos são considerados leves, puros, frescos, de fácil digestão, de sabor suave e adocicado. São alimentos formadores dos tecidos, promovem resistência física, saúde equilibrada e longevidade.

Têm o potencial de ativar a mente superior, os bons sentimentos e o refinamento das emoções, pois estabilizam a mente, elevam a consciência e a espiritualidade. Promovem o movimento para dentro, a introversão.

A dieta vegetariana ou lactovegetariana é mais sáttvica do que a dieta à base de carnes e produtos de origem animal.

Os alimentos sáttvicos são:
– a maioria dos legumes frescos;
– grãos (recém preparados);
– leguminosas;
– leite;
– alimentos adocicados;
– ghee (manteiga clarificada sem sal);
– nozes, castanhas e sementes;
– óleos prensados a frio;
– mel e água de fonte natural.

ALIMENTOS RAJÁSICOS

Energeticamente, os alimentos rajásicos aumentam o fogo e promovem a extroversão, o movimento para fora, a criatividade, a agressão e a paixão. De modo geral, são excitantes e estimulantes do sistema nervoso.

Estimulam a energia vital e a atividade mental e são indicados para casos em que o indivíduo se encontra em um estado letárgico, inerte ou esgotado, pois o esgotamento também pode provocar a letargia. Nos textos clássicos, estes alimentos eram “indicados para guerreiros antes da batalha”.

São considerados alimentos rajásicos:
– a maioria dos alimentos fermentados;
– iogurte ou kefir;
– alho e cebola;
– todos os tipos de pimenta;
– ovos;
– queijos, ricota;
– amendoim;
– azeitonas verdes e pretas com sal;
– café, chá-mate, chá preto, chá verde, chimarrão e guaraná-do-
amazonas.

ALIMENTOS TAMÁSICOS

Caracterizam-se, de modo geral, como pesados, de difícil digestão e fermentados. Aumentam a obscuridade e confusão mental, embotando a consciência. Deprimem, induzem à inércia, impulsividade, emoções inferiores, lassidão e torpor, e provocam, ainda, o desequilíbrio, doenças e morte.

Entre os alimentos tamásicos, incluem-se:
– carnes vermelhas;
– carnes industrializadas;
– bacalhau salgado;
– queijos fermentados e de odor forte;
– pimentas, pimentão, temperos muito fortes;
– bebidas alcoólicas em geral;
– alho, alho poró e cebola.

O modo de preparo também pode atribuir um efeito sutil tamásico ao alimento, como, por exemplo, frituras, conservas, preparados em microondas, tóxicos em geral, fast food, comidas requentadas, sucos de frutas engarrafados e/ou alimentos congelados.

 

Texto por Mario JP Neto – terapeuta Ayurveda

Coordenador do curso Ayurveda Clássico – Autoconhecimento e Formação

Site oficial: www.satvayurveda.com

 


MATRÍCULAS ABERTAS:  Módulo Culinária Ayurvédica – dias 13 e 14/07

Tópicos: Culinária Ayurvédica Prática; Dietoterapia e desintoxicação ayurvédica

Com Mario JP Neto e terapeutas convidados (Atmo Danai, Daniel Sales, Dr. Gaurav Davee)

Local das aulas: Sítio Vale das Flores, Altiplano Leste, Brasília-DF

Valor: módulo avulso – R$ 520 à vista / 2 x R$ 270 / em até 18x no PagSeguro (consulte-nos) Aceitamos cartão, cheque, depósito.

INSCREVA-SE AQUI.

O que esperar de um tratamento ayurvédico?

De modo geral, nosso conceito de saúde e cuidados pessoais se resume a um plano de saúde ou aquilo que o médico nos recomenda seguir, e geralmente isso implica em tomar um remédio e em algumas vezes evitar algum hábito que seja gerador do distúrbio a ser tratado.

No ponto de vista do Ayurveda, o conceito de saúde é muito mais amplo e totalmente diferente daquilo que vemos em nossa sociedade, pelo menos em sua grande maioria.

O Ayurveda advoga que saúde é um estado de equilíbrio entra corpo, mente e alma, e se todos esses fatores estão em perfeita harmonia e experimentando felicidade, então temos uma pessoa saudável.

Os pilares que sustentam a vida, segundo os textos clássicos, são três: sono, dieta e uso adequado dos sentidos e órgãos da ação.

Sono apropriado (e restaurador) é aquele que ocorre entre as 22h e 6h, mesmo que você insista em dizer que é um ser noturno, a natureza toda se manifesta dessa forma. Aliás, quando o sol se põe todos os animais adormecem.
Não ficou convencido? Sugiro que pesquise sobre a influência dos hormônios na qualidade de vida e os horários apropriados para uma produção eficaz dos mesmos. Sugiro ainda que faça uma experiência real e procure se isolar por uma semana em algum local como um sítio ou uma pousada no meio do mato e sem internet. Acho difícil você ficar acordado até tarde da noite…

Da mesma forma, a dieta descrita nos textos clássicos é bem clara quanto aos alimentos que sustentam a vida e aqueles que não apoiam.

Dentre os que apoiam a vida (uma dieta lacto-vegetariana é sugerida) podemos citar (assim como descrito no Ashtanga Hridayam e Charak Samhita): arroz, trigo, feijão moiashi, leite, mel, ghee, verduras e legumes, frutas e alimentos preparados na hora. É claro que devemos contextualizar essa lista e integrar a ela alguns outros alimentos existentes em nosso local de residência, obviamente correlacionando os atributos fundamentais dessa escolha que são: alimentos leves, nutritivos e de fácil digestão.

São mencionados também aqueles que são pesados, difíceis de digerir e, portanto, não promovem nutrição adequada dos tecidos do corpo, sendo considerados não apoiadores da vida. São eles: carnes, queijos, ingestão de alimentos crus de forma constante, frutas pesadas de difícil digestão, álcool, processados, comida dormida, congelada, industrializada.

Sua energia vital depende de uma boa fonte de vida, do ar que respiramos, da água que bebemos, da comida que ingerimos e mais sutilmente, das emoções e pensamentos que nutrimos.

O último ponto é sobre a utilização apropriada dos sentidos e órgãos da ação, ou seja, como você se relaciona com você e com o mundo. Esse capítulo é sobre autoconhecimento e aí as práticas meditativas e espirituais são fundamentais. Praticar meditação e yoga diariamente é fundamental para se conectar com a sua essência e seu verdadeiro propósito de vida. Nesse aspecto entendemos que não somos somente o corpo, mas uma alma que vive em um corpo e precisa de um sentido, caso contrário nos tornamos infelizes produzindo uma condição propícia ao adoecimento.

Dentro desse espectro holístico, corpo, mente e alma, as doenças se manifestam de diferentes formas. E cada indivíduo é único e com um histórico de vida bem diferente e com características únicas marcadas no seu código genético.

Segundo a filosofia milenar do Ayurveda as doenças podem ser classificadas em três tipos: doshotha (por influência dos desequilíbrios do doshas e suas funções fisiológicas), karmaja (por influência das ações de vidas passadas – ou seja resgates kármicos que estão impressos no mapa astrológico da pessoa), ou ainda doshotha-karmaja, ambas supracitadas em combinação. E se eu não acreditar em Karma? OK. Mas karma é uma lei universal, ação e reação. Tudo que fazemos gera uma reação, isso é um fato!

Mas e se eu não acreditar em Astrologia? Ok, não há necessidade. Mas estamos constantemente sendo influenciados pelos planetas, pelo movimento do sol da lua, etc…

Doenças geradas por desequilíbrios psicofisiológicos (doshotha) são tratadas de acordo com as terapias de nutrição, uso de ervas, estilo de vida apropriado, procedimentos externos e panchakarma (terapias de purificação), yoga e meditação. Doenças geradas pela influência do Karma, são amenizadas com terapias sutis como mantras, yagyas, prática da caridade e terminam geralmente no final do período de influência de determinados planetas. Doenças que contém ambas as características, são tratadas com ambas as abordagens supracitadas.

Pelo que podemos perceber a base para um estado de equilíbrio requer uma mudança em diversos padrões, os quais, muitas vezes são difíceis de serem alterados e muitos ainda não estão preparados para tal mudança, devido a um comodismo que assola suas vidas e de uma cultura que sustenta tal comportamento.

Em termos fisiológicos muitos acham que o Ayurveda é algo que um questionário respondido no Google pode resolver. Então, alguns pacientes já vem com o um diagnóstico pronto daquilo que acham que “são” e pedem tratamento para “isso ou aquilo”.

Os famosos Doshas (vata,pita e kapha) representam funções fisiológicas como circulação de micro e macro nutrientes, energia e matéria, metabolismo das substâncias físicas ou sutis, e formação dos tecidos do corpo, que estão contidos nos conceitos de srotas, agnis e dhatus e provavelmente você não vai ver isso num teste do Google.

Um bom profissional irá procurar averiguar todos esses fatores fisiológicos bem como psíquicos e procurar a causa do problema. Onde e como ele surgiu? Isso é fundamental para compreender todo processo de adoecimento do corpo.

Nos textos clássicos é dito que os distúrbios e suas manifestações em diferentes órgãos e tecidos do corpo estão diretamente ligados com “A CAUSA” da doença. Portanto, tratar da doença implica na compreensão de sua causa, suas manifestações em diferentes locais, eliminação dos fatores causais e aplicação de princípios promotores de cura.

Nesse sentido o paciente é fundamental para o sucesso do tratamento, e deve ser sujeito ativo no seu processo de cura. Ninguém mais é tão responsável pela nossa saúde ou doença quanto nós mesmos e tudo que fazemos ou deixamos de fazer por merecer.

Você é o criador da sua condição! E, portanto, somente você pode sair dela. O terapeuta pode te dar o caminho, mas se você não trilha-lo não há como haver cura!

O quanto você realmente está disposto a mudar ou se responsabilizar pela sua saúde?

Por: Mario JP Neto (Terapeuta Ayurveda e Instrutor de Meditação Transcendental)


QUER SABER MAIS?

Curso Ayurveda Clássico – Módulo Culinária Ayurvédica – Dias: 13 e 14/07
O que irá aprender: Culinária Ayurvédica prática + Dietoterapia e desintoxicação ayurvédica.
Com Mario JP Neto e terapeutas convidados (Atmo Danai, Daniel Sales, Dr. Gaurav Davee).
Valor: módulo avulso – R$ 520 à vista / 2 x R$ 270 / em até 18x no PagSeguro (consulte-nos)
Obs: a formação completa tem duração de dois anos.

INSCREVA-SE AQUI.

Estresse e Síndrome de Burnout em crescimento no Brasil

Pesquisam revelam que o brasileiro está entre os povos mais estressados do mundo, principalmente devido ao excesso e tensões do trabalho. No Brasil, cerca de 132 mil infartos são causados pelo estresse do dia a dia, de acordo com o Ministério da Saúde.

A OMS oficializou essa semana a Síndrome de Burnout como síndrome crônica oriunda da exaustão profissional, que atinge 33 milhões de brasileiros.

Como identificar o estresse? Dores corporais e dores de cabeça frequentes, irritação, frustração, medo, preocupação que provocam a liberação de adrenalina e cortisol no sistema nervoso (os chamados hormônios do estresse). Esses hormônios quando alterados, em grandes quantidades alteram toda o sistema do ser humano, afetando principalmente a saúde e o humor.

O estresse é considerado um fator de risco para o surgimentos de outros problemas e doenças, principalmente as cardiovasculares, ou seja, ele pode estar associado ou facilitar o desenvolvimento de infarto, AVC, prisão de ventre, depressão, transtornos alimentares, hipertensão, etc.

Para controlar e prevenir o estresse é essencial olhar de forma integral para o estilo de vida: organizar o seu tempo, ter uma alimentação saudável, praticar hobbies e exercícios físicos (mova o corpo), ter boas noites de sono, curtir livros, filmes, música (fazer coisas que gosta), desligue-se sempre que puder do trabalho, busque relacionamentos positivos.

 

Sugestão de curso para pessoas estressadas, terapeutas e todos os interessados em saúde e qualidade de vida:

CURSO DE MASSAGEM RELAXANTE ANTI-STRESS

Com Amanda Pinho
Dias: 04, 06, 11 e 13/06
Valor: R$ 340,00 ou em até 18x (PagSeguro)