fbpx
Tag

nutrição

Um dia de saúde para um detox no corpo e na mente, com entrada gratuita

Que tal fazer uma desintoxicação (detox) de crenças limitantes, hábitos e outras coisas que te impedem de viver com abundância e ter uma saúde integral?

Pelo menos uma vez por mês realizamos encontros temáticos no Instituto Atmo Danai, com acesso livre (gratuito). No mês de março o tema principal é “DETOX”. 

Nessa sexta-feira (13) vamos realizar um dia inteiro de atividades voltadas para a desintoxicação ou detox do organismo, do corpo e da mente, aqui no Instituto e você está convidado!

A partir das 13h você pode assistir a palestras e participar de atividades terapêuticas, com diversos profissionais renomados. A entrada é gratuita!

DIA DE SAÚDE INTEGRAL

TEMA ESPECIAL: DETOX

PROGRAMAÇÃO:
13h – Meditação com Aromaterapia (Atmo Danai)
14h – Desintoxicando Corpo e Mente com Aromaterapia (Beth Almeida)
15h – Como obter uma rotina saudável de acordo com o Ayurveda (Atmo Danai)
16h – Detox Mental: como desintoxicar os pensamentos (Amanda Pinho)
17h – Alimentos Funcionais e Desintoxicação (Estela/Nutricionista)
18h – Detox Crenças Limitantes (Márcia/Coach de Vida)
19h – Palestra “Constelação Familiar Xamânica com cavalos” (Guilherme Barcellos)

Ficou animado(a)? Clica no botão abaixo para enviar uma mensagem por WhatsApp e confirmar a sua presença.

Local: SBN Quadra 2, Edifício Via Capital, Sala 1004.

Obs.: nosso evento será de pequeno porte (menos de 100 pessoas). Vagas limitadas! 

Trigunas (sattva, rajas, tamas) e os efeitos sutis dos alimentos

“Dieta é tudo o que é ingerido por qualquer campo e através de qualquer sentido de percepção, sob qualquer forma da mente e qualquer forma de intelecto.” (Charak Samhita)

Este conceito deixa bem claro que o importante não é somente o alimento que comemos, mas também tudo que podemos perceber e assimilar por meio dos sentidos.

Podemos notar a manifestação de estados emocionais e suas influências em nossa alimentação em diversos momentos. Por exemplo: se você está com muita fome e sente o cheiro da sua comida favorita sendo preparada, os sentidos gustativos são estimulados e logo começará a salivar. Quando começa a andar em direção a ela, seu telefone toca, e, ao atender, recebe a notícia da morte de um parente. No mesmo instante, acaba a sua fome e toda aquela preparação do seu corpo, sistema digestivo e sensação de fome deixa de existir rapidamente.

Isso indica que tudo ao nosso redor, e não só a comida, influencia a nossa nutrição. Portanto, devemos fazer as escolhas que sejam mais adequadas se quisermos ter uma boa saúde.

A IMPORTÂNCIA DOS ALIMENTOS, A INFLUÊNCIA DO INDIVÍDUO NA DIETA E OS FATORES RELACIONADOS COM A DIETA

“Os alimentos sustentam a vida dos seres humanos. Todas as criaturas no universo necessitam deles. Compleição, clareza, boa voz, longevidade, felicidade, alegria, nutrição, força e intelecto, todos dependem da alimentação. As ações para a realização do mundo, na vida divina e na iluminação, todas dependem da alimentação.” (Charak Samhita, Sutrasthan 27.349-350)

O Ayurveda considera vários fatores como fundamentais na escolha de uma dieta. Essa escolha deve ser coerente com o estágio de vida em que se encontra o indivíduo, e também com a sua ocupação, que pode ser sedentária, atlética ou monástica. A manifestação do fogo digestivo, chamado de agni, pode ser alta, irregular ou baixa, sendo um importante fator avaliado pelo Ayurveda frente à seleção dos alimentos em uma dieta. A prakriti (constituição individual) e o vrikriti (o que está em desequilíbrio) são determinantes na escolha dos alimentos para compor uma dieta.

A quantidade e a qualidade do alimento, por exemplo, são aspectos associados ao tipo de agni manifestado no indivíduo. O modo de preparo influenciará no tipo do efeito sutil (TRIGUNAS, o que veremos adiante) que o alimento vai exercer sobre o indivíduo. Veremos nessa mesma vertente a influência das horas do dia sobre o agni, bem como a relação entre as estações climáticas e os ciclos dos doshas.

O Ayurveda aponta combinações incompatíveis em uma dieta e também alimentos (ou condimentos) antídotos para amenizar possíveis efeitos agravadores dos atributos de outros alimentos. Quantidade, temperatura e períodos de ingestão de líquidos no agni do indivíduo são importantes fatores avaliados pelo Ayurveda, pois a ingestão excessiva de líquidos pode diminuir o agni. O local da alimentação, por sua vez, pode provocar efeitos sutis positivos e negativos nos pratos, efeitos que acabam repercutindo no corpo e no processo de digestão.

Uma dieta e digestão equilibradas dependem da alimentação e nutrição adequadas e da relação entre digestão e metabolismo. Desse modo, o Ayurveda recomenda o alimento mais fresco, da estação, sem agrotóxicos, cheio de vida e preparado na hora da refeição. A nutrição adequada é o resultado do alimento que o indivíduo come, somado a sua capacidade de digestão. Metabolismo equilibrado é a habilidade do corpo de processar todas as substâncias do alimento sem desgaste ou esforço.

Para compor uma dieta, o Ayurveda enfatiza a seleção e preparo dos alimentos, a natureza e necessidades do indivíduo e a composição, pureza, quantidade e qualidade dos alimentos.

Antes de estudarmos esses aspectos, vamos conhecer definições importantes sobre as qualidades sutis da matéria para compreendermos como as características dos alimentos influenciam o corpo.

OS TRIGUNAS (OS 3 ATRIBUTOS DA MATÉRIA)

DEFINIÇÃO DE SATTVA, RAJAS E TAMAS

As qualidades sutis da matéria abrangem sattva, que se refere à inteligência pura e promove o equilíbrio; rajas, que constitui a energia e provoca o desequilíbrio; e tamas, a substância que, por sua vez, produz a inércia. Analisaremos agora o conceito dos gunas segundo os Vedas:

“Pureza, paixão e inércia, essas qualidades, ó Arjuna, nascem da natureza e limitam aquele que habita o corpo, ó indestrutível.

Sattva, por ser desprendida de impurezas, caracteriza-se por iluminar e ser livre de doenças e por aprisionar pelo apego à felicidade e ao conhecimento, ó impecável.

Saiba que rajas tem a natureza das paixões, sendo a origem da sede (de prazeres sensuais) e do apego. Ela aprisiona rápido o encarnado, ó Arjuna, pelo apego à ação.

Porém, saiba que tamas nasce da ignorância. Ilude a todos que habitam o corpo, aprisiona com rapidez, ó Ajurna, através da indiferença, preguiça, indolência e sonolência.

Sattva vincula-se à felicidade, rajas à ação, ó Arjuna, ao passo que tamas, encobrindo o conhecimento, vincula-se à indiferença.” (Bhagavad gita, XIV).

Segundo Maharishi Mahesh Yogi, em seu comentário sobre o Bhagavad-gita, toda a criação consiste na interação dos três gunas (sattva, rajas e tamas), nascidos de prakriti (ou natureza). O processo da evolução é conduzido por esses três gunas.

Evolução significa criação, e, em seu desenvolvimento progressivo e em sua base, está a atividade. Esta necessita de rajo-guna para criar impulso, e de sattva-guna e tamo-guna para manter a direção do movimento.

A natureza de tamo-guna é frear ou retardar, mas não se deve pensar que, quando o movimento é para cima, tamo-guna está ausente. Para continuar qualquer processo, deve haver etapas, e em cada uma delas, por menor que seja em espaço e tempo, é preciso haver uma força para mantê-la e outra para fazê-la evoluir a uma nova fase. A força que a faz evoluir é sattva-guna, enquanto que tamo-guna é a que a freia ou retarda para manter o estado já produzido, para que este funciona como a base do próximo nível.

Toda a vida no campo relativo está sob a influência dos gunas. O perecível é a existência relativa e o imperecível, o Ser absoluto. Portanto, para dar-lhe a experiência direta do estado absoluto da vida, Ele pede que Arjuna “esteja livre dos três gunas”.

Independentemente do campo dos 3 gunas em que você se encontre, daí deve começar a mover-se em direção a planos mais sutis dos gunas. E, quando chegar ao plano mais sutil, saia dele, transcenda-o, esteja consigo mesmo, “possuído pelo Ser” – “livre da dualidade”, “sempre firme na pureza”, “independente de posses”.

Esta é a técnica de realização instantânea. O Senhor mostra para Arjuna um meio prático de convergir a mente ramificada para o foco do intelecto resoluto. Aí está uma técnica eficaz para levar a mente a uma condição em que todas as diferenças se dissolvem, o que leva o indivíduo ao estado de realização.

OS EFEITOS SUTIS DOS ALIMENTOS

Os alimentos podem ser classificados como sáttvicos, rajásicos e tamásicos, conforme os efeitos sutis que provocam no corpo.

ALIMENTOS SÁTTVICOS

Os alimentos sáttvicos são considerados leves, puros, frescos, de fácil digestão, de sabor suave e adocicado. São alimentos formadores dos tecidos, promovem resistência física, saúde equilibrada e longevidade.

Têm o potencial de ativar a mente superior, os bons sentimentos e o refinamento das emoções, pois estabilizam a mente, elevam a consciência e a espiritualidade. Promovem o movimento para dentro, a introversão.

A dieta vegetariana ou lactovegetariana é mais sáttvica do que a dieta à base de carnes e produtos de origem animal.

Os alimentos sáttvicos são:
– a maioria dos legumes frescos;
– grãos (recém preparados);
– leguminosas;
– leite;
– alimentos adocicados;
– ghee (manteiga clarificada sem sal);
– nozes, castanhas e sementes;
– óleos prensados a frio;
– mel e água de fonte natural.

ALIMENTOS RAJÁSICOS

Energeticamente, os alimentos rajásicos aumentam o fogo e promovem a extroversão, o movimento para fora, a criatividade, a agressão e a paixão. De modo geral, são excitantes e estimulantes do sistema nervoso.

Estimulam a energia vital e a atividade mental e são indicados para casos em que o indivíduo se encontra em um estado letárgico, inerte ou esgotado, pois o esgotamento também pode provocar a letargia. Nos textos clássicos, estes alimentos eram “indicados para guerreiros antes da batalha”.

São considerados alimentos rajásicos:
– a maioria dos alimentos fermentados;
– iogurte ou kefir;
– alho e cebola;
– todos os tipos de pimenta;
– ovos;
– queijos, ricota;
– amendoim;
– azeitonas verdes e pretas com sal;
– café, chá-mate, chá preto, chá verde, chimarrão e guaraná-do-
amazonas.

ALIMENTOS TAMÁSICOS

Caracterizam-se, de modo geral, como pesados, de difícil digestão e fermentados. Aumentam a obscuridade e confusão mental, embotando a consciência. Deprimem, induzem à inércia, impulsividade, emoções inferiores, lassidão e torpor, e provocam, ainda, o desequilíbrio, doenças e morte.

Entre os alimentos tamásicos, incluem-se:
– carnes vermelhas;
– carnes industrializadas;
– bacalhau salgado;
– queijos fermentados e de odor forte;
– pimentas, pimentão, temperos muito fortes;
– bebidas alcoólicas em geral;
– alho, alho poró e cebola.

O modo de preparo também pode atribuir um efeito sutil tamásico ao alimento, como, por exemplo, frituras, conservas, preparados em microondas, tóxicos em geral, fast food, comidas requentadas, sucos de frutas engarrafados e/ou alimentos congelados.

 

Texto por Mario JP Neto – terapeuta Ayurveda

Coordenador do curso Ayurveda Clássico – Autoconhecimento e Formação

Site oficial: www.satvayurveda.com

 


MATRÍCULAS ABERTAS:  Módulo Culinária Ayurvédica – dias 13 e 14/07

Tópicos: Culinária Ayurvédica Prática; Dietoterapia e desintoxicação ayurvédica

Com Mario JP Neto e terapeutas convidados (Atmo Danai, Daniel Sales, Dr. Gaurav Davee)

Local das aulas: Sítio Vale das Flores, Altiplano Leste, Brasília-DF

Valor: módulo avulso – R$ 520 à vista / 2 x R$ 270 / em até 18x no PagSeguro (consulte-nos) Aceitamos cartão, cheque, depósito.

INSCREVA-SE AQUI.

IAD entrevista Ana Paula Surita: Nutrição

Ana Paula Surita é graduada em Nutrição, pela Universidade Católica de Brasília (2007), e pós-Graduada em Nutrição Clínica Funcional, pela VP Consultoria Nutricional (2009). É instrutora de Yoga com certificação pela Aliança do Yoga (2008). Desde 2008, é também empresária, proprietária e administradora da clínica Bem Estar Espaço Vida, parceria do IAD.

Confira, na entrevista abaixo, dicas e reflexões da Ana sobre a área de Nutrição e suas relações com o Yoga.

IAD: A partir de uma visão holística, como podemos compreender o estudo e a aplicação da Nutrição.

Em se tratando da Nutrição como ciência, o holístico se correlaciona ao fato de que a alimentação não deve ser baseada em contagem de calorias, apenas. Mas, sim, tendo em vista diversos aspectos relativos ao alimento, à natureza e ao corpo humano. Por exemplo, devemos observar a origem desse alimento (se é orgânico ou não); se o alimento é fresco ou conservado e se reage como potencial agressor das células, como quando pode causar alergias e inflamações; se tem poder pró-oxidante; qual o processo de produção desse alimento e o que se utilizou nesse processo (como produtos químicos); e qual impacto ambiental na produção desse alimento. Devemos observar, em paralelo a esses pontos, como está a saúde gástrica, intestinal e tudo que pode influenciar nos processos de digestão, absorção e excreção dos alimentos e nutrientes no indivíduo.

Além do que, o ser humano não se nutre apenas por nutrientes em si, mas, também, pelo que ele assimila em nível mental/intelectual, em nível emocional, físico e vital. Esses aspectos se relacionam entre si na condição da saúde e bem-estar. No nível físico, por exemplo, atividade física, respiração e controle do estresse se somam à alimentação.

IAD: Você é instrututora de Yoga e nutricionista e tem buscado integrar esses dois universos no seu trabalho. Como a Nutrição pode auxiliar o estudo e a prática do Yoga?

Bem, eu diria que a prática de Yoga é capaz de nos proporcionar uma percepção de nossa natureza e das nossas necessidades de maneira muito coerente, o que nos direciona a querer cultivar hábitos que possam fortalecer nossa vitalidade e disposição. Particularmente, eu acredito que nos oferece uma capacidade e vontade de buscar mais equilíbrio, incluindo na alimentação.

Não que exista uma receita universal para todos em igual, acho que cada pessoa pode perceber aquilo que te faz ou não faz bem. A prática de Yoga auxilia para que as escolhas sejam feitas com mais consciência, até mesmo quando a escolha não for tão ideal, pode haver um olhar consciente, num processo de autoconhecimento e auto-observação, dia a dia. Por outro lado, quando praticamos Yoga, que é uma prática que purifica o corpo, que vai nos mostrando o quanto nos sentimos confortáveis em nosso corpo, por meio dos movimentos de força, equilíbrio e flexibilidade, uma alimentação balanceada e que melhore a vitalidade, poderá contribuir nos resultados que a prática pode proporcionar.

IAD: Indo além da alimentação e a partir de uma visão de saúde integral, o que mais nos nutre enquanto seres humanos?
Acredito que o equilíbrio dinâmico da nutrição dos aspectos vital, físico, emocional e mental irá proporcionar plenitude. Quando esses aspectos estão bem equilibrados, surge mais um aspecto, que também podemos perceber, que é a dimensão espiritual, que complementa a nutrição humana.

E digo dinâmico porque a vida é dinâmica, nós estamos em constante transformação e sempre surgem novos aprendizados e desafios, novas necessidades. Por isso, o interessante é estar consciente e atento de como estamos nos sentindo, cada dia, em cada aspecto, para buscar as estratégias de se reequilibrar, de maneira contínua e constante. Isso é viver. A saúde não é literalmente uma dádiva, pois depende de conquista, deve ser cultivada diariamente.

IAD: A alimentação é também um aspecto cultural. Como você vê a nutrição do brasileiro em relação aos nossos alimentos típicos?

Sim, com certeza.  No geral, hoje em dia, com a globalização, até mesmo a população mais carente aderiu muito aos alimentos industrializados, como refrigerantes e biscoitos. Muitas vezes há um excesso de açúcar, gordura hidrogenada, óleos refinados, sal, carboidratos refinados. Isso é muito lamentável e podemos ver pelos dados do Ministério da Saúde que a obesidade e doenças correlacionadas, como diabetes e hipertensão, cresce a cada dia.

Bem, quanto à alimentação típica, depende muito de cada região, que tem suas características bem variadas. No sul, por exemplo, eu considero que há um certo exagero no consumo de carne vermelha; no norte, temos o açaí que é maravilhoso; no nordeste, inhame e cará no café da manhã, o que é bem melhor do que pão, por exemplo. Cada região tem características bem diferentes. Mas, o bom prato de arroz com feijão, com moderação, e tendo uma variedade de vegetais, complementa bem a dieta. Mas vejo que é preciso ter uma dieta variada e colorida dia a dia, só o arroz com feijão e carne pode não ser tão nutritivo em termos de micronutrientes, por exemplo, vitamina C, vitamina A, betacaroteno e vitamina D, elementos essenciais para o metabolismo e equilíbrio geral do organismo. Vejo que muitas vezes a dieta dos brasileiros pode apresentar uma grande quantidade de calorias, mas nem sempre ser rica em vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes.

IAD: A má alimentação é um dos grandes causadores dos distúrbios de saúde na vida moderna e urbana? Em que erramos enquanto sociedade?

Acredito que um dos piores fatores relacionados ao meio urbano é o estresse, que debilita muito o organismo, associado à falta de exercício, ao excesso de açúcar, sal, processados com químicos cancerígenos, uso de agrotóxicos que empobrece os solo e, consequentemente, os alimentos que nos envenena, e a poluição ambiental, que nos coloca em contato com metais tóxicos que se acumulam no organismo. Tudo em pró do consumo. Acho que o estresse, a falta de tempo de olhar para nossa natureza interior, a falta de observar que somos todos dependente da natureza, a falta de respeito pela natureza e o consumismo, em conjunto, são grandes causadores dos distúrbios.

IAD: Como a nutrição auxilia desarmonias físicas e emocionais como ansiedade, depressão entre outros?

A nutrição tem a capacidade de oferecer ao corpo os nutrientes capazes de regenerar o tecido cerebral, os nutrientes que fazem as sinapses (conexões neurais), favorecendo a atividade da mente. Pode também equilibrar todas as funções hormonais, o que oscila na presença do estresse da vida moderna. Porém, para o equilíbrio da saúde, em geral, é preciso outros fatores. Acredito que, para buscarmos saúde e qualidade de vida, precisamos nos questionar quanto ao estilo de vida inconsciente, sendo necessário o cultivo de bons hábitos, que acabam por se traduzir em comportamentos disciplinados e conscientes na rotina diária. Esses hábitos envolvem:

  • atitude positiva baseada na amorosidade e empatia nos relacionamentos com pessoas, consigo e com a própria natureza;

  • alimentação equilibrada e condizente com as necessidades humanas, com visão integrada à natureza;

  • atividade física frequente (aquela que você gosta de fazer, para fazer bem);

  • respiração consciente (oxigenação dos tecidos, geração de energia vital);

  • descanso e sono com qualidade;

  • quietude (concentração, atenção direcionada para o interior, meditação)

  • contato com a natureza (incluindo contato com a luz do sol, contemplação do meio ambiente ao ar livre e momentos de laser);

  • controle do estresse físico, mental e emocional (pode envolver todos os elementos acima, além de terapêuticas naturais, como técnicas de massagens, acupuntura e florais);

  • e, para quem se identifica, eu diria de maneira mais objetiva, praticar Ioga, pois esta prática já incorpora pelo menos 4 dos itens acima.

Se utilizamos dessas ferramentas, podemos estar mais presentes em nossos corpos, e isso nos dá condições para observarmos nossas ações e reações perante diversas áreas da vida. Isso amplia nosso olhar de como conduzimos nossa rotina para, então, seguirmos em uma direção positiva, com resultados benéficos, criando um verdadeiro sentido no viver.

IAD: A aplicação de uma boa nutrição requer uma efetiva reeducação alimentar. De forma prática, como podemos nos reeducar e aplicar uma nutrição adequada na vida cotidiana?

Em geral, comer vegetais crus em abundância, alimentação colorida, de preferência orgânica. Incluir, pela manhã, com certa frequência, suco verde. Incluir frutas e castanhas oleagenosas e sementes. Comer até 20h da noite, ou não comer muito perto da hora de ir dormir (pelo menos 2h de digestão). Dê sempre um descanso ao corpo, praticando o “jejum” de 12h, pelo menos, 2x por semana, por exemplo, jantar as 20h e tomar café da manhã às 8h da manhã. Evitar o consumo de açúcar e fritura. Não beber refrigerante. Evitar os alimentos refinados, industrializados e ultraprocessados.

IAD: Por fim, qual o seu entendimento sobre o que é saúde?

Saúde é um estado de vitalidade, disposição, bem-estar, plenitude e bem-aventurança.

IAD: E o que é a cura?

A cura é o reencontro com o equilíbrio nato!

 

CONSULTAS EM NUTRIÇÃO E AULAS DE YOGA

Ana Paula Surita realiza consultas de Nutrição na Bem Estar, espaço parceiro do Instituto Atmo Danai, localizado no Edifício Brasil 21. As aulas de Yoga são ministradas no mesmo espaço, às terças e quintas, das 7h15 às 9h e de 12h15 às 13h30.

Contato: 3039.9091 / bemestar@bemestarvida.com.br